Blog – Bienal 2018: Eu fui!

Bienal 2018: Eu fui!

Quando eu planejei este blog, pensei que seria um dos mais fáceis de escrever. Falar sobre a bienal deveria ser fácil, afinal, ela ainda nem terminou…

Só que está sendo muito mais complicado do que eu pensei.

Não por falta de memórias positivas ou de sentimentos bonitos, mas justamente pelo contrário: é tanta coisa legal que eu nem sei por onde começar. Fora o medo de esquecer algo bem importante. Mesmo assim, vou tentar.

Vamos começar falando do lançamento no Rio de Janeiro. O que foi aquilo, gente?! Mesmo caindo um dilúvio, nós enchemos o Donninha Gastronomia de leitores, amigos, blogueiros e familiares. Foi simplesmente emocionante. Não consegui nem comer! A noite foi uma loucura e eu amei cada segundo dela. Por isso, obrigada mesmo!

Na sexta feira seguinte, dia 3 de agosto, eu fui para a bienal com a minha tia, com a Sissi (do canal Dicas da Sissi) e com a Luísa Aranha. Foram seis horas de estrada, com muitas risadas, histórias e fofocas, claro!

No mesmo dia, tivemos o lançamento de Segredos de Luxúria, a antologia erótica que eu e Luísa organizamos para a editora Rico. Foi muito bom poder encontrar com vários dos autores talentosíssimos que participaram dessa antologia. Muitas fotos, sorrisos e abraços. Não poderia ter ficado mais feliz.

Conheci também a lindeza da Janaína Rico. Essa mulher te ganha com o sorriso, não importa qual problema você apresente. Preparem-se que novos projetos com a editora Rico virão muito em breve.

No dia seguinte foi o lançamento de Meu Vizinho Indiscreto e Meu Mecânico Indecente. Obrigada a todos que foram nos ver por lá! Foi tudo lindo!

Ainda neste dia, tivemos a chance de encontrar algumas amigas. E, sinceramente, acho que este foi o ponto alto da Bienal.

Há menos de dois anos, quando resolvi sair do armário literário e assumir para o mundo que eu escrevia, criei um grupo de whatsapp para escritoras de romance do Wattpad. Éramos dezoito de início, mas o grupo foi encolhendo, encolhendo, encolhendo… Hoje somos apenas onze, mas nos apoiamos demais! Criamos laços de amizade e estamos uma ao lado da outra nesta loucura que é o mundo dos escritores.

Na Bienal, cinco de nós tivemos a chance de nos encontrarmos. E preciso dizer que foi simplesmente SENSACIONAL! Eu, Luísa Aranha, Crys Carvalho, Vall Chruscielski e Nana Fabreti passamos horas e horas juntas e só nos separamos porque no dia seguinte tinha mais bienal. Foi maravilhoso estar com essas meninas, que conhecia há tempos, mas nunca tinha visto.

Dia 5 foi o lançamento de Nunca Vou Me Apaixonar. Apenas emocionante! Obrigada, leitoras lindas, por terem tirado um tempinho para irem me ver. Tanto no dia 4 quanto no dia 5. Amei estar com vocês! Além disso, ver os amigos de longa data na bienal foi incrível. Obrigada por todo o carinho.

Dia 6 deveria ter sido o mais tranquilo, já que os lançamentos haviam passado. Mas acabei saindo da Bienal depois de ter fechado. Este dia foi de grandes revelações, surgimento de novos projetos e planos para outras coisas que virão por aí…

Aguardem, estamos apenas começando.

Fora todos os eventos, foi muito bom conhecer autoras lindas, que tanto admiro e sempre leio, como a Thati Machado, Elisete Duarte, Nana Pauvolih, Janice Ghisleri e tantas outras.

Porém, nada se compara a ter dado uma de fãzoca para a Lauren Blakely. Antes mesmo de os livros dela chegarem ao Brasil, eu já lia tudo que essa mulher escrevia. A Lauren e eu temos uma coisa em comum (não, gente, ela é infinitamente mais talentosa do que eu… diva da cabeça aos pés): nós escrevemos bastante no ponto de vista masculino e trazendo humor às histórias. Eu amooooo os livros da Lauren e já li a grande maioria deles.

Quando soube que ela estaria na Bienal, não perdi tempo e comprei um exemplar, só para poder conseguir meu autógrafo. Confesso que esta foi a primeira vez que fiquei na fila para ganhar autógrafo de alguma autora (que não era uma amiga).

Não satisfeita, eu precisava presenteá-la com algo que fosse importante para mim. Nos três minutos que estivemos juntas (foi o relacionamento mais maravilhoso da minha vida), eu dei a ela um exemplar (autografado também) de Nunca Vou Me Apaixonar, além de todos os brindes que tinha feito para os meus lançamentos. Na verdade, o rabisco que deixei no livro não foi um autógrafo, e sim um agradecimento por todas as histórias que ela escreveu, que são maravilhosas!

Dane-se que ela não vai ler o Dante! O que importa é que a Lauren Blakely tem o meu livro! E isso é motivo suficiente para me deixar de bom humor até o fim do ano.

Quem sabe, se meu livro for traduzido, ela não dá uma chance a ele? Seria um sonho mesmo.

Enfim… Essa bienal foi tudo de bom! Ano que vem tem mais, dessa vez no Rio, e eu já estou contando os dias!