Fechando Ciclos

Fechando ciclos

É amanhã e eu não sei como me sinto a respeito.

“O que é amanhã, Mari?”, você deve estar perguntando.

Amanhã é o dia oficial do fechamento de ciclos. Deveria, inclusive, virar feriado. Preciso confessar uma coisa pra vocês: eu tenho sérios problemas em concluir coisas. Na verdade, acho que tenho problemas em dizer adeus. Um dia eu volto pra psicóloga e descubro o porquê. Enquanto isso, eu tento falar pra vocês um pouco do que tem tirado meu sono ultimamente.

Para quem não sabe, a série Famosas Últimas Palavras foi um marco na minha vida. Com ela, dei um passo mega importante na minha carreira como escritora. Não aos olhos das pessoas, mas aos meus. Por motivos muito pessoais, creio que Nunca Vou Me Apaixonar será sempre meu livro preferido, por mais que eu ame todos eles. E ter que terminar a série foi, por falta de adjetivos, muito difícil.

Confesso que Nunca Vou Me Iludir — também conhecido como o livro do Gael e o último da série Famosas Últimas Palavras — saiu com muita dificuldade. Não por falta de inspiração ou bloqueio criativo, sei lá. Não, a dificuldade foi conseguir me desapegar. Todos precisamos de um momento OLX, e o meu foi esse.

Eu queria contar uma história que sabia que meus leitores iriam odiar. Eu simplesmente sabia que seria xingada, apedrejada, e juro que não estava preparada para isso. Tirar uma ideia fechada da mente e transformar em outra que agradasse tanto a mim quanto aos meus leitores foi bastante complicado. Por mais que eu quisesse fazer todo mundo feliz, nunca — repito, NUNCA — liberaria um livro com o qual eu não estivesse satisfeita.

Foi bem complicado.

Na minha cabeça, Gael tinha toda aquela pompa, mas, no fundo, era apenas um garotinho mimado e imaturo. E isso era algo que precisava ser desconstruído, porque eu queria que, ao fim do livro, ele fosse aquele homem delicioso que minhas leitoras imaginavam.

Vou confessar uma coisinha procês: na minha ideia original do livro, Gael terminaria um solteiro convicto, feliz da vida e pegando todo mundo. Preciso saber como vocês reagiriam a esse final! Por favor, me mandem mensagens, respondam no post do blog que sai no Instagram ou no Facebook, tanto faz. Mas preciso saber como vocês lidariam com o fato de Gael não acabar o livro em um relacionamento lindo e sadio.

Ele não queria se apaixonar, gente! Eu juro! Eu tentei, tentei, tentei… mas nada fazia com que ele se apaixonasse. Ela precisou chegar e ele precisou crescer — e muito! — para que Gael conseguisse virar o homem que eu queria que ele fosse.

Hoje, posso dizer que estou muito feliz com Nunca Vou Me Iludir. Uma coisa que eu digo é que esse título tem muito mais a ver com ele mesmo do que com qualquer outra pessoa na história. Vocês vão entender quando começarem a ler.

Mas voltando à questão do fechamento do ciclo, acho que, grande parte da minha dificuldade em deixar a história realmente gostosa de ler foi o fato de não querer que ela acabasse.

Eu amo Dante, Lucca e Gael. Amo Clara, Gia, Júlia, Tori e Liz (mano do céu, quem é Liz??!?!?!). Eu amo a série Famosas Últimas Palavras, e escrever as tais últimas palavras foi bastante complicado. Acreditam que, no meio do livro, eu pulei pra cena final? Eu sabia exatamente como queria que tudo acabasse, mas não queria chegar lá.

Foi duro. Foi lindo.

Eu só tenho a agradecer por essa série.

O mais legal é que, ao longo dela, várias pessoas estiveram ao meu lado. A Bebel Lye, do Blog 7 Véus foi a beta de todos os livros. A Renata Moreira, minha melhor amiga e irmã de alma, também. Andréia Evaristo revisou cada um deles e Luísa Aranha (minha Lulusinha) diagramou. Não posso deixar de fora a Jade, que é minha big boss, quem manda no meu marketing e briga comigo para produzir conteúdo — seja pro blog, vídeos, livros…

A Jade começou com o lançamento de Nunca Vou Me Apaixonar e está parando no de Nunca Vou Me Iludir. Simbólico demais, gente! Ela vai ficar um tempo afastada, fechando mais um ciclo na vida dela e na minha. Vou ficar completamente perdida sem ela, mas vai dar certo! Um dia ela volta. Pelamordedeus, Jade, volta logo!

Eita que agosto tá sendo um mês bem intenso emocionalmente falando. Meu primeiro lançamento de livro impresso, Bienal de São Paulo, fim das Famosas Últimas Palavras e fim de um “contrato” com meu anjo da guarda do mkt.

Escritores já deveriam estar acostumados a pontos finais, mas confesso que é sempre muito difícil dizer adeus para algo que nos completa, que nos torna melhores.

Obrigada, Famosas Últimas Palavras, você mudou a minha vida.